domingo, 26 de abril de 2015

PM mata três e só apreende duas armas com os mortos: Um problema aritmético?

Policiais do Batalhão de São João de Meriti mataram hoje três homens que teriam tentado roubar motos de outros policiais, que estavam à paisana. Duas armas foram apreendidas com os mortos. Peraí, três mortos e duas armas? O que será que aconteceu?
a) Três bandidos revezavam duas armas para atirar nos policiais ("Peraí, fulano. Você já deu dois tiros. Deixa eu atirar também um pouquinho!")
b) Só devia ter dois bandidos atirando. Mas quem dá a mínima para o terceiro bandido que morreu desarmado?
c) A polícia matou os três independente de estarem sendo alvejados. Mataram simplesmente porque os bandidos cometeram um roubo (e cagaram para a constituição brasileira que proíbe a pena de morte).
d) Isso acontece todo dia, portanto ninguém questiona como aconteceu a ação policial e a Polícia Civil nunca investiga, a não ser que alguma imagem ou testemunha surja para desmentir a versão mentirosa da polícia.
Hoje tentei fazer a reportagem sobre o caso, mas as assessorias de imprensa da Polícia Militar e da Polícia Civil se recusaram a confirmar que apenas duas armas foram apreendidas (mesmo que toda a imprensa tenha noticiado que apenas duas armas foram apreendidas e atribuído a informação à própria PM).
Nem a PM nem a Civil me confirmaram a informação porque eu deixei claro que a história estava mal contada e que eu queria esclarecimentos. Queria saber em que situação os PMs mataram o terceiro suspeito (o desarmado) e se os policiais por acaso tinham sido presos em flagrante por homicídio ao registrarem o caso na Delegacia. Perguntei ainda se um IPM seria aberto. Nenhuma pergunta teve resposta.
Cada assessoria ou empurrava a responsabilidade para a outra, ou dizia que não conseguia reunir a informação para me passar.
A polícia continuará agindo assim, de forma irresponsável, e você continuará aplaudindo, até que um familiar seu seja a vítima da imperícia/brutalidade policial.

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Menino de dez anos morre no Alemão: UPP se transforma em um espetáculo repulsivo que ninguém mais quer assistir

Meu dia hoje começou de um modo repulsivo. Abri meu facebook e vi o vídeo de uma criança de dez anos assassinada pelo Estado no Complexo do Alemão. O mal estar que eu senti é indescritível. Não consegui sequer imaginar o que sentiram os pais desse menino.

A criança foi morta para que o governo mantenha sua chamada política de “pacificação”. Uma política que já nasceu predestinada a dar errado. Uma política que nasceu em 2008 propagandeando-se como a aposta numa polícia comunitária, de proximidade, apesar de nunca ter conseguido ser mais do que a versão tosca de uma ocupação territorial militar.

As Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) tornaram-se uma marca publicitária de altíssimo valor. Mas nunca foram mais do que isso. Renderam bons frutos eleitorais para os políticos que se apropriaram dela, mas nunca rendeu mais do que lapsos de esperança numa população que acreditou em mais uma falsa promessa governamental.

A promessa de paz nunca chegou a ser concretizada na maioria das favelas onde as UPPs foram instaladas. A “pacificação” nunca passou de um teatro mal encenado, protagonizado por canastrões de terno e coadjuvantes vestidos de fardas azuis (e pretas; e até verde-oliva).

Um teatro reencenado dezenas de vezes com histriônicas cenas da entrada de blindados e do hasteamento da bandeira nacional nessas favelas. Uma superprodução envolvendo centenas de milhares de figurantes que tiveram que ceder suas ruas, casas e campos de futebol.

O problema é que foi um teatro produzido com vistas a uma audiência moradora de prédios (de médio e alto padrão) e de condomínios fechados. Mas foi tão bem produzido, que chegou a enganar os figurantes (os moradores das favelas) que chegaram a acreditar que aquilo tudo era de verdade e não uma versão iraquiana do Projac.

Sem receber previamente o roteiro e sem saber do funesto final que os aguardava no final da peça teatral, os figurantes aplaudiram junto com a plateia, deram entrevistas para a imprensa dizendo que seu futuro melhoraria dali por diante, que a paz finalmente chegara a suas comunidades e suas casas.

Mas foi aí que a peça teatral começou a ficar estranha. Outros figurantes que tinham sido eliminados do roteiro voltaram reivindicando seus direitos de participar da encenação. E eles vieram armados de fuzis. E as balas não eram de festim.

E os coadjuvantes de farda tampouco usavam balas de festim. O roteiro começou a fugir do controle de seus diretores. E os atores começaram a se enfrentar. O sangue começou a jorrar de verdade.

No início, os canastrões de terno disseram que tudo bem, isso fazia parte do roteiro. Afinal, a peça era sobre uma redenção histórica. O enredo envolvia a reconquista de territórios há décadas controlados pelo mal. E logo tudo ficaria bem.

Mas não ficou. E a peça se transformou num caos completo. Os diretores, atores canastrões e coadjuvantes fardados não conseguiam mais seguir o roteiro. E os figurantes começaram a ficar impacientes.

E, de repente, a audiência começou a achar tudo muito sangrento. Aquele épico de ação e redenção histórica havia se transformado em um daqueles western violentos que todos se cansaram de ver. E a imprensa passou a fazer críticas negativas sobre o enredo.

Então, os diretores começaram a ficar desesperados. “Ou a pacificação dá certo. Ou vamos todos para o buraco”. Disse um dos coadjuvantes.

Leitores do blog, precisamos dizer para esse coadjuvante que nós já estamos no buraco. Na verdade nunca saímos, não é mesmo Amarildo? Não é mesmo Claudia? O senhor só está querendo salvar os diretores desse desastre teatral.

Senhor fardado, essa peça até chegou a criar um climax, nos seus dois primeiros anos. Mas depois tornou-se chata. Violenta demais.

A audiência não quer mais peças de teatro. A gente queria que nossa polícia fosse usada para fazer alguma coisa de verdade. Esse bangue-bangue já saiu muito caro para todos nós.


Vamos todos sair do teatro. Esses canastrões não merecem nossa audiência.  

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Violência nas manifestações: A cumplicidade de um secretário de Segurança "horrorizado" com as palavras de seu subordinado

Hoje nosso secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, se disse "horrorizado" com as declarações do ex-comandante do Batalhão de Choque, coronel Fábio, no whatsapp. Para quem não leu a reportagem da Veja, em um grupo de mensagens para oficiais da PM, o coronel escreveu atrocidades como a defesa do uso de fuzil 7.62 contra manifestantes e a comemoração de um tiro de bala de borracha nas costas de um protestante a cerca de 30 metros de distância.

O curioso dessa história é que as atrocidades cometidas pela PM durante as manifestações foram amplamente divulgadas pela imprensa ao longo de todo 2013 e 2014. Eram casos de agressões de manifestantes, uso indiscriminado de armas não letais, prisões ilegais, cerceamento do trabalho da imprensa, impedimento ilegal da circulação de pessoas etc etc. Um policial chegou ao ponto de chutar o rosto de um jornalista estrangeiro, que já estava no chão, machucado.

Mas nada disso pareceu deixar "horrorizado" o secretário de segurança, o superior hierárquico de todos os policiais militares do Rio de Janeiro.

O caro secretário Beltrame só ficou ultrajado quando ele viu um oficial defendendo as atrocidades em mensagens privadas do whatsapp.

Apenas uma pergunta, Beltrame. Em nenhum momento, o senhor se questionou por que a polícia atuou de forma violenta, absurda, animalesca, ineficaz e ilegal durante as manifestações populares de 2013 e 2014?

Se o senhor (que aliás, como comandante das polícias é corresponsável por todos os desvios da tropas) tivesse buscado saber por que a polícia estava espancando cidadãos e jornalistas durante os protestos, teria sabido desde o primeiro dia que o comando do Batalhão de Choque estava incentivando seus homens a agir como animais.

Sim, Beltrame. Eu fiquei horrorizado desde a primeira vez em que estive em uma manifestação e vi, com meus próprios olhos, o que aqueles representantes do Estado estavam fazendo com os cidadãos que deveriam proteger.

Fiquei horrorizado com o que soldados, cabos, sargentos, oficiais e comandantes estavam fazendo nas ruas. E fiquei horrorizado com os chefes das polícias, com o senhor, secretário Beltrame, e com o governador do estado por fecharem seus olhos para as barbaridades cometidas por seus subordinados.

O senhor, secretário, é tão responsável pelo braço quebrado, pelo olho inchado e pelo hematoma de cada cidadão que sofreu com os abusos quanto esses militares descontrolados.

O senhor, Beltrame, é responsável por cada sequestro (sim, SEQUESTRO, porque muitos cidadãos não eram presos, mas arrastados pelos policiais sem terem cometido qualquer crime) cometido por policiais nessas manifestações.

É lamentável ver como o senhor, uma autoridade de altíssimo prestígio junto à população, tente se isentar de suas responsabilidades. Mas o mais lamentável é saber que essa é apenas a ponta do iceberg de um sistema policial que ainda acha que está acima da lei e que ainda age como a Santa Inquisição na Idade Média, o capitão do mato do Brasil colônia, a guarda do rei ou o agente da ditadura.

Um sistema policial que não evoluiu com a sociedade.

Policiais não acham que estão acima da lei apenas nas manifestações. Eles acham que estão acima da lei quando achacam cidadãos, quando atiram a esmo nas ruas da cidade, quando, com sua arma, ameaçam outros cidadãos e até agentes do Estado.

E a polícia continua se pensando acima da lei, porque seus superiores nada fazem para colocar ordem na casa. Superiores como o senhor, secretário Beltrame, ou o governador do Estado.