domingo, 24 de setembro de 2017

Polícia veio para ficar na Rocinha, diz governador do Rio...em 2011

Quem aí não se lembra dos policiais do Bope estendo a bandeira brasileira no alto das favelas depois de cada ocupação antes da entrada das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) nas comunidades cariocas?

Quem aí se esqueceu de repórteres tendo orgasmos com cada blindado entrando em preparação para uma nova "pacificação"?

E das autoridades se gabando que tinham acabado com o jugo do tráfico e trazido paz duradoura para os moradores das comunidades-alvo das ocupações policiais.

Toda vez que vejo a imprensa exigindo a ocupação de favelas, toda vez que eu vejo o espetáculo das operações policiais (e principalmente das ações militares), toda vez que eu ouço uma autoridade prometendo a permanência da polícia nessas comunidades, eu me lembro dessa época.

Foi uma época de pseudo-sonhos, que se estendeu de 2008 a mais ou menos 2012. Um período em que a imprensa e a sociedade acreditaram cegamente na utopia de um governo que prometeu acabar com o controle territorial armado do Rio de Janeiro.

Mas na verdade eu não lembro apenas dessa época, eu me lembro das operações pré-Jogos Panamericanos 2007, eu me lembro das ações dos governos Rosinha, Benedita, Garotinho, Marcelo Alencar (eu não lembro nada de Moreira Franco, porque eu era muito criança)...

O modelo entra, ocupa, ilude a população e sai da favela não é novo. Mas é surpreendente como a imprensa, a sociedade e os governos insistem nesse modelo fracassado, seja de operações com duração de poucas horas seja com pseudo-ocupações de vários meses (ou anos no caso das UPPs).

Toda vez que surge uma "onda de violência", uma imprensa torpe exige uma ação contundente da polícia. E, se a polícia não é espetacular ou "contundente" (leia-se: não mata, prende e apreende o suficiente), a solução é chamar o Exército.

Pouco importa o resultado prático disso. Pouco importa se os últimos 30 anos demonstraram que ocupações duradouras ou escaramuças esporádicas de forças policiais/armadas não tiveram qualquer impacto no modelo de criminalidade armada no Rio de Janeiro.

Foi aliás, esse paradigma de ocupação territorial como resposta para ocupação territorial que deu origem à mais nefasta modalidade criminosa do Rio de Janeiro: as milícias. Policiais e ex-policiais crentes nesse modelo decidiram acabar com o tráfico em suas comunidades ocupando eles mesmos as favelas.

Enquanto acreditarmos que a ocupação territorial é a solução para nossos problemas (e sabemos pela história da humanidade que ocupações por estrangeiros/estranhos não funcionam), não vamos atacar os principais problemas que alimentam o controle territorial armado ilegal no Rio.

E que problemas são esses? A corrupção policial, a falta de recursos investigativos, a falta de atenção aos esquemas de atacado da droga, os olhos fechados para os fornecedores de armas (e esqueça um pouco os esquemas transnacionais de tráfico de armas, estou falando aqui também de policiais, colecionadores de armas, firmas de segurança, cidadãos de bem que têm porte de arma e as desviam para os criminosos), a legislação linha-dura contra a venda e consumo de drogas, apenas para citar alguns.

Em 2011, ouvimos o ex-governador (e agora presidiário) Sérgio Cabral dizer que a polícia chegou à Rocinha para ficar. Seis anos depois, ouvimos seu sucessor (e na época vice-governador) Luiz Fernando Pezão repetir o mesmo mantra.

Quem aí duvida que daqui a seis anos ouviremos o próximo governador falar a mesma coisa?


sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Exército na Rocinha: o show não pode parar

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, pediu hoje (22) para que o Exército brasileiro seja usado para ocupar a comunidade da Rocinha, na zona sul da capital fluminense. A medida tem sido pedida à exaustão pela imprensa fluminense, como se a força armada fosse a solução mágica para um problema tão complexo quanto a insegurança pública no Rio.

O Exército, na verdade, já foi usado dezenas de vezes nos últimos 20 anos, sem muitos resultados práticos. Em geral, a força armada desfila com seus blindados, tanques de guerra e jovens recrutas com pouco ou nenhum preparo para a guerra (e com menos preparo ainda para atuar na segurança pública), mas não efetua prisões ou evita ações criminosas que ocorram a poucos metros de si.

Enfim, os militares servem muito ao espetáculo midiático, que adora ver carros de guerra circulando pelas ruas da cidade e militares camuflados posando com seus fuzis. Mas servem pouco à segurança pública.

O Exército sabe que não tem preparo para atuar como força de polícia e sabe que não fará qualquer diferença nesse caos que é a insegurança pública do Rio de Janeiro. Mas, por algum motivo, se deixa usar como peão nesse simulacro de "Jogos de Guerra".


Vejamos o que disse o comandante da 1a Divisão do Exército, general Mauro Sinott, acerca do uso do 1o Batalhão de Polícia do Exército nas operações da Rocinha.

"Vamos fazer um cerco à comunidade, ajudar no controle de trânsito e no controle do tráfego aéreo, a fim de liberar os contingentes de polícia para ações mais específicas de polícia".

Ajudar no controle de trânsito? Eu entendi bem? Vamos usar homens cuja função constitucional é garantir a defesa do país contra ataques de outros países para "controlar o trânsito". Bem, general, para isso já existe a CET-Rio.

Controlar o tráfego aéreo? Eu entendi bem de novo? Me desculpa, general, mas os bandidos não vão atacar ninguém usando helicópteros ou aviões de combate.

Liberar a polícia para fazer ações de polícia? Legal. E se o trabalho de polícia será feito pela polícia (o que inclui o cerco policial), o que sobra exatamente para o Exército fazer, além de aparecer nas câmeras de TV e apaziguar os falcões da imprensa?

A resposta é... 

...nada.

É isso que o Exército fará na Rocinha. Nada.

Os militares não ajudarão a polícia. Eles não conhecem o terreno. Não estão autorizados a cumprir mandados de prisão. Não vão se envolver nos confrontos (os comandantes militares correm desse tipo de problema). 

Eles serão, na verdade, uma preocupação a mais para a polícia. É mais uma cadeia de comando para dificultar as ações. Eles podem ser alvos de criminosos. E eles podem cometer violações de direitos constitucionais (já que eles não estão preparados para esse tipo de ação), algo que ocorreu em muitas das ações envolvendo as forças armadas em favelas.

O risco maior, no entanto, é a cortina de fumaça continuar na segurança pública. E os problemas reais serem, cada vez mais, jogados para debaixo do tapete, enquanto os verde-olivas posam para fotos e câmeras de TV.

Lapa, quinta-feira: Mais uma vida perdida no bangue-bangue do Rio de Janeiro

E mais uma pessoa morreu no Rio de Janeiro, vítima da mentalidade bangue-bangue que afeta a nossa sociedade. Jonathan Vitorino Ferraz estava numa calçada da Lapa, quando, depois de uma tentativa de assalto, começou o tiroteio que tirou sua vida, aos 24 anos.

Não, Jonathan não era a vítima do assalto. Jonathan não era o bandido. E Jonathan sequer foi morto por causa do assalto.

Quem matou Jonathan foram aqueles que deveriam proteger sua vida: policiais.

Segundo a polícia e testemunhas, o fato foi o seguinte: criminosos em uma moto pararam em um posto de gasolina na Lapa para roubar pessoas. Um deles, pelo menos, estava armado. Ele roubou um frentista e se dirigiu até um carro para assaltar dois policiais civis à paisana.

Ao perceber que o homem armado se dirigia até eles, os policiais sacaram suas armas. O bandido viu as armas, largou a sua e correu para a moto, para fugir dali.

Com o criminoso já tendo desistido do assalto e já tendo largado a arma, os policiais então dispararam pelo menos dez vezes para, de forma infrutífera, evitar sua fuga. Você não leu errado: dez vezes.

Bem, quem sabe como funciona uma arma (e acho que isso inclui todos os brasileiros a partir dos dois anos de idade), sabe que, quando a pessoa aperta o gatilho, a bala sai da arma e vai parar em algum lugar. Imagino que um policial civil saiba disso também.

Ora, se tudo der certo, a bala vai atingir o alvo desejado ou morrer num muro. Mas existe a possibilidade desse projétil atingir uma pessoa. E também existe a possibilidade desse ferimento ser letal. Imagino que um policial civil não precisa ser um estatístico ou físico para saber disso.

A possibilidade de atingir uma pessoa inocente aumenta exponencialmente, quando esses tiros são disparados em uma área de grande movimentação de pessoas, como a Lapa numa noite de quinta-feira. Acho que qualquer policial do Rio de Janeiro tem a obrigação de saber disso.

Mas, mesmo sabendo de tudo isso, os policiais resolveram gastar quase todo o pente de suas pistolas, disparando cerca de dez tiros contra um alvo em movimento, em meio a dezenas de transeuntes.

E atentemos para outro fato. Os dez tiros não foram disparados para evitar um roubo. O roubo já tinha sido interrompido. Os tiros foram para evitar a fuga (leia-se “matar”) dos criminosos.

E ainda que o roubo estivesse em andamento, não é nem um pouco razoável disparar dez tiros para evitar um assalto. Evitar um crime que, ainda que seja considerado violento (por envolver ameaça), é essencialmente patrimonial com o disparo de tiros não é razoável.

Colocar a vida de pessoas em risco para evitar a subtração de bens materiais não é razoável. Não é razoável e não é inteligente.

Mas não só isso. Disparar dez tiros para evitar um assalto ou evitar a fuga dos assaltantes é algo criminoso. Colocar a vida de pessoas em risco é mais criminoso do que assaltar essas pessoas.

É um crime mais violento do que o roubo propriamente dito. E por que é criminoso? Porque é violento e pode colocar a vida de pessoas em risco. É criminoso porque pode tirar a vida de um jovem de 24 anos que tinha terminado de jantar e só queria dar um pulo na calçada para fazer uma ligação.

E é assustador que os autores desse disparo tenham sido policiais. Pessoas que teoricamente conhecem os riscos de usar indiscriminadamente armas de fogo no meio da rua.

Eu não acho assustador apenas por causa disso. Os policiais não só parecem desconhecer os riscos desse tipo de ação, como acham razoável disparar tiros a esmo para evitar a fuga de um criminoso. E eles só acham isso razoável porque a sociedade também pensa assim.

A sociedade acha razoável a ocorrência de “efeitos colaterais” na luta “contra a violência”. A sociedade acha que é normal “combater” a violência com violência. A sociedade acha OK ter pessoas inocentes morrendo nas ruas pelas mãos de agentes do Estado, porque esses agentes estão “lutando” contra a violência.

A questão é que Jonathan morreu. Jonathan não só morreu. Ele foi assassinado.

O fato de Jonathan ter sido morto “acidentalmente” por policiais que assumiram o risco de disparar uma área cheia de gente não é menos grave do que se ele tivesse sido morto por assaltantes.

Ao agir dessa forma, os policiais não estão combatendo a violência. Eles estão sendo um fator a mais para a violência. Eles estão ajudando a aumentar os índices de criminalidade. Eles estão contribuindo para o risco de morte no Rio de Janeiro. E o pior, eles não estão colaborando em nada para evitar novos assaltos.


Jonathan perdeu sua vida. Os assaltantes fugiram. E os policiais continuarão atirando nas ruas do Rio de Janeiro para “combater” a violência.

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Menino de dez anos morre no Alemão: UPP se transforma em um espetáculo repulsivo que ninguém mais quer assistir

Meu dia hoje começou de um modo repulsivo. Abri meu facebook e vi o vídeo de uma criança de dez anos assassinada pelo Estado no Complexo do Alemão. O mal estar que eu senti é indescritível. Não consegui sequer imaginar o que sentiram os pais desse menino.

A criança foi morta para que o governo mantenha sua chamada política de “pacificação”. Uma política que já nasceu predestinada a dar errado. Uma política que nasceu em 2008 propagandeando-se como a aposta numa polícia comunitária, de proximidade, apesar de nunca ter conseguido ser mais do que a versão tosca de uma ocupação territorial militar.

As Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) tornaram-se uma marca publicitária de altíssimo valor. Mas nunca foram mais do que isso. Renderam bons frutos eleitorais para os políticos que se apropriaram dela, mas nunca rendeu mais do que lapsos de esperança numa população que acreditou em mais uma falsa promessa governamental.

A promessa de paz nunca chegou a ser concretizada na maioria das favelas onde as UPPs foram instaladas. A “pacificação” nunca passou de um teatro mal encenado, protagonizado por canastrões de terno e coadjuvantes vestidos de fardas azuis (e pretas; e até verde-oliva).

Um teatro reencenado dezenas de vezes com histriônicas cenas da entrada de blindados e do hasteamento da bandeira nacional nessas favelas. Uma superprodução envolvendo centenas de milhares de figurantes que tiveram que ceder suas ruas, casas e campos de futebol.

O problema é que foi um teatro produzido com vistas a uma audiência moradora de prédios (de médio e alto padrão) e de condomínios fechados. Mas foi tão bem produzido, que chegou a enganar os figurantes (os moradores das favelas) que chegaram a acreditar que aquilo tudo era de verdade e não uma versão iraquiana do Projac.

Sem receber previamente o roteiro e sem saber do funesto final que os aguardava no final da peça teatral, os figurantes aplaudiram junto com a plateia, deram entrevistas para a imprensa dizendo que seu futuro melhoraria dali por diante, que a paz finalmente chegara a suas comunidades e suas casas.

Mas foi aí que a peça teatral começou a ficar estranha. Outros figurantes que tinham sido eliminados do roteiro voltaram reivindicando seus direitos de participar da encenação. E eles vieram armados de fuzis. E as balas não eram de festim.

E os coadjuvantes de farda tampouco usavam balas de festim. O roteiro começou a fugir do controle de seus diretores. E os atores começaram a se enfrentar. O sangue começou a jorrar de verdade.

No início, os canastrões de terno disseram que tudo bem, isso fazia parte do roteiro. Afinal, a peça era sobre uma redenção histórica. O enredo envolvia a reconquista de territórios há décadas controlados pelo mal. E logo tudo ficaria bem.

Mas não ficou. E a peça se transformou num caos completo. Os diretores, atores canastrões e coadjuvantes fardados não conseguiam mais seguir o roteiro. E os figurantes começaram a ficar impacientes.

E, de repente, a audiência começou a achar tudo muito sangrento. Aquele épico de ação e redenção histórica havia se transformado em um daqueles western violentos que todos se cansaram de ver. E a imprensa passou a fazer críticas negativas sobre o enredo.

Então, os diretores começaram a ficar desesperados. “Ou a pacificação dá certo. Ou vamos todos para o buraco”. Disse um dos coadjuvantes.

Leitores do blog, precisamos dizer para esse coadjuvante que nós já estamos no buraco. Na verdade nunca saímos, não é mesmo Amarildo? Não é mesmo Claudia? O senhor só está querendo salvar os diretores desse desastre teatral.

Senhor fardado, essa peça até chegou a criar um climax, nos seus dois primeiros anos. Mas depois tornou-se chata. Violenta demais.

A audiência não quer mais peças de teatro. A gente queria que nossa polícia fosse usada para fazer alguma coisa de verdade. Esse bangue-bangue já saiu muito caro para todos nós.


Vamos todos sair do teatro. Esses canastrões não merecem nossa audiência.  

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Violência nas manifestações: A cumplicidade de um secretário de Segurança "horrorizado" com as palavras de seu subordinado

Hoje nosso secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, se disse "horrorizado" com as declarações do ex-comandante do Batalhão de Choque, coronel Fábio, no whatsapp. Para quem não leu a reportagem da Veja, em um grupo de mensagens para oficiais da PM, o coronel escreveu atrocidades como a defesa do uso de fuzil 7.62 contra manifestantes e a comemoração de um tiro de bala de borracha nas costas de um protestante a cerca de 30 metros de distância.

O curioso dessa história é que as atrocidades cometidas pela PM durante as manifestações foram amplamente divulgadas pela imprensa ao longo de todo 2013 e 2014. Eram casos de agressões de manifestantes, uso indiscriminado de armas não letais, prisões ilegais, cerceamento do trabalho da imprensa, impedimento ilegal da circulação de pessoas etc etc. Um policial chegou ao ponto de chutar o rosto de um jornalista estrangeiro, que já estava no chão, machucado.

Mas nada disso pareceu deixar "horrorizado" o secretário de segurança, o superior hierárquico de todos os policiais militares do Rio de Janeiro.

O caro secretário Beltrame só ficou ultrajado quando ele viu um oficial defendendo as atrocidades em mensagens privadas do whatsapp.

Apenas uma pergunta, Beltrame. Em nenhum momento, o senhor se questionou por que a polícia atuou de forma violenta, absurda, animalesca, ineficaz e ilegal durante as manifestações populares de 2013 e 2014?

Se o senhor (que aliás, como comandante das polícias é corresponsável por todos os desvios da tropas) tivesse buscado saber por que a polícia estava espancando cidadãos e jornalistas durante os protestos, teria sabido desde o primeiro dia que o comando do Batalhão de Choque estava incentivando seus homens a agir como animais.

Sim, Beltrame. Eu fiquei horrorizado desde a primeira vez em que estive em uma manifestação e vi, com meus próprios olhos, o que aqueles representantes do Estado estavam fazendo com os cidadãos que deveriam proteger.

Fiquei horrorizado com o que soldados, cabos, sargentos, oficiais e comandantes estavam fazendo nas ruas. E fiquei horrorizado com os chefes das polícias, com o senhor, secretário Beltrame, e com o governador do estado por fecharem seus olhos para as barbaridades cometidas por seus subordinados.

O senhor, secretário, é tão responsável pelo braço quebrado, pelo olho inchado e pelo hematoma de cada cidadão que sofreu com os abusos quanto esses militares descontrolados.

O senhor, Beltrame, é responsável por cada sequestro (sim, SEQUESTRO, porque muitos cidadãos não eram presos, mas arrastados pelos policiais sem terem cometido qualquer crime) cometido por policiais nessas manifestações.

É lamentável ver como o senhor, uma autoridade de altíssimo prestígio junto à população, tente se isentar de suas responsabilidades. Mas o mais lamentável é saber que essa é apenas a ponta do iceberg de um sistema policial que ainda acha que está acima da lei e que ainda age como a Santa Inquisição na Idade Média, o capitão do mato do Brasil colônia, a guarda do rei ou o agente da ditadura.

Um sistema policial que não evoluiu com a sociedade.

Policiais não acham que estão acima da lei apenas nas manifestações. Eles acham que estão acima da lei quando achacam cidadãos, quando atiram a esmo nas ruas da cidade, quando, com sua arma, ameaçam outros cidadãos e até agentes do Estado.

E a polícia continua se pensando acima da lei, porque seus superiores nada fazem para colocar ordem na casa. Superiores como o senhor, secretário Beltrame, ou o governador do Estado.

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Tiros pela cidade: como o disparo de armas de fogo nas ruas se tornou banal na nossa sociedade?

Estava em casa hoje. Eu na cozinha, meu filho na sala, quando escuto tiros na rua. Corro desesperado para saber se está tudo bem com meu filho. Tudo bem, parece que a barbárie lá de fora não atingiu minha casa. Era por volta das 16h.

Na tensão, não consigo contar o número de tiros. Não sei se foram três, quatro ou cinco. Escuto um homem gritando lá fora. “Calma, calma. Sou policial. Estou fazendo segurança aqui da van e o vagabundo queria me roubar!”

Pela varanda vejo a tal van branca saindo da rua. Tento ver a placa mas não consigo. A van sai de marcha ré e segue pela rua. Ligo para minha esposa, que estava na rua, para saber onde ela está. Ela diz que acabou de entrar na garagem.

“Meu Deus!”, penso. “Ela acabou de passar pela linha de tiro. Não sei se pouquíssimos minutos antes ou pouquíssimos minutos depois”. A entrada da minha garagem fica bem na linha de tiro entre o suposto “policial” e o suposto “vagabundo” contra o qual ele atirou. Poucos segundos garantiram que minha esposa chegasse ilesa em casa.

Ela não viu, nem ouviu os tiros. Possivelmente, ela chegou poucos minutos (ou segundos) depois do tiroteio. Minha esposa chega bem em casa, pela graça de Deus.

Desço e converso com as pessoas que viram tudo. O homem sacou uma pistola e atirou no suposto ladrão. Depois, ele e as pessoas que estavam com ele, recolheram as cápsulas deflagradas do chão e taparam a placa do veículo com um adesivo, antes de saírem do local do crime.

Pouco depois fico sabendo que o tal bandido foi atingido e está caído na frente de uma escola, que fica um pouco mais acima, na mesma rua. Pedestres chamam os bombeiros e eu ligo para a polícia. Passa-se meia hora e ninguém chega.

Saio pelas ruas do bairro e procuro uma patrulha. É nessas horas que você percebe como é difícil achar um policial militar, quando se precisa deles. Acho um carro parado há cinco quarteirões e os comunico sobre a ocorrência.

Volto ao local onde a vítima está caída. Os bombeiros e a polícia já estão lá, cerca de 50 minutos depois do tiroteio. O rapaz ferido já havia sido recolhido à ambulância. Ouço algumas pessoas comentando que os bombeiros não precisavam tê-lo socorrido e podiam tê-lo deixado sangrando no chão.

Vou até a janela da patrulha e digo aos policiais que meu prédio tem câmeras que podem ter capturado a ocorrência. Também relato o que ouvi do atirador. (que ele era policial e estava fazendo segurança da van). Os PMs parecem pouco interessados no que eu tenho a dizer. Um deles diz apenas: “Quer saber? Acho que ele [o cara que atirou] não está errado, não. O outro [que foi baleado] disse que só estava pedindo dinheiro. Se ele tivesse só pedindo dinheiro, o cara não teria dado cinco tiros nele”.

Eu respondo: “A questão não é essa. O cara [que levou o tiro] está errado de tentar roubar [se é que ele estava mesmo]. Mas o outro está mais errado ainda de dar cinco tiros numa rua dessas. Tem uma creche e uma escola aqui nessa rua [o tiro foi dado na direção dessas duas unidades escolares]. Podia ter atingido uma criança. Por pouco minha esposa não foi atingida”.

O outro diz: “Tá tudo muito banalizado!”.

Eu respondo: “Independente dele ser policial ou não [e se ele for policial está duplamente errado, em dar tiro a esmo e em fazer segurança ilegalmente]. Ele não tem que sair atirando no meio da rua”.

O primeiro policial faz uma cara de bunda, como se não estivesse com paciência para nada.

Digo apenas: “Faz o seguinte. Quando vocês forem registrar o caso na delegacia, digam apenas que meu prédio tem câmeras que podem ter registrado a ação. Estamos a disposição para ceder as imagens, se for preciso”.

O policial (da cara de bunda) diz: “Olha, isso não vai dar em nada, não. Mas me diz teu nome e teu telefone”.

Digo meu número e me despeço dos policiais.

Volto para casa desiludido. Houve uma tentativa de homicídio (ninguém reage a um assalto em que o bandido não está armado com cinco tiros), o risco de incolumidade física de pessoas inocentes (e crianças), o uso indevido de arma de fogo e a destruição da cena do crime. Tudo isso possivelmente envolvendo um agente da lei. E os PMs estava tratando como se fosse uma ocorrência de reclamação por excesso de barulho ou briga de vizinhos.

Mas também entendi o desinteresse dos policiais. Todos os dias, centenas de tiros são disparados na cidade do Rio de Janeiro. Grande parte deles pela própria polícia (de serviço ou de folga). Não dá para ficar investigando cada vez que alguém aperta uma gatilho numa rua da cidade. Mesmo que esse tiro atinja alguém.

Ao mesmo tempo, pelo meu ponto de vista, é justamente porque ninguém investiga os disparos de armas de fogo no Rio de Janeiro (e no Brasil) que essa atitude tornou-se tão banal. É muito fácil puxar meu revólver ou pistola da cintura e brincar de bangue-bangue nas ruas.

Não é possível dizer em que momento ficamos tão bestializados a ponto de aceitar essa situação de caos social como um fato corriqueiro em nossas vidas. Em que momento das nossas vidas aceitamos que um policial diga “bem feito para esse vagabundo. Se ele tentou roubar alguém. Mereceu levar cinco tiros”.

Não vou entrar no mérito de que há um limite para a legítima defesa e que no Brasil não existe pena de morte. E ainda que existisse (como nos EUA ou no Irã), o réu teria que passar por um julgamento para ser condenado.

Só pergunto: e as crianças nas ruas? E nossas esposas, pais, irmãos, filhos, sobrinhos que nada tem a ver com o “vagabundo” que teve o azar de assaltar outro “vagabundo” mais poderoso que ele?

Será uma simples fatalidade se nossos entes queridos forem atingidos por uma bala perdida? Terá sido o acaso, como uma amêndoa que desaba sobre o capô de nossos carros, um cocô de pombo que cai nas nossas cabeças ou um banho de água suja num ponto de ônibus num dia de chuva?

É normal termos que nos preocupar com alguém, que, a qualquer momento, pode decidir se defender de um assalto e dar uma saraivada de tiros na rua, acabando com nossas vidas?

No Rio de Janeiro, centenas de pessoas morrem anualmente vítimas de balas perdidas. Outras milhares (algo em torno de 5 a 6 mil) são deliberadamente assassinadas, porque algumas pessoas se arrogam do direito de ter mais direito do que as outras e extinguir vidas.

E tudo isso ocorre perante uma polícia impassível. Assoberbada por crimes que ela mesmo alimenta com sua inépcia (preventiva, repressiva e investigativa). Algo em torno de apenas 5% a 20% dos casos de letalidade violenta são esclarecidos pelas polícias do Brasil.

Arrisco-me a dizer que de 60% a 70% desses casos sequer são investigados. São registros de ocorrência que nem saem das gavetas da “investigação preliminar” (nome pomposo para a seção da polícia que digita sua ocorrência e pede para você assinar seu testemunho) da Polícia Civil.

Se formos considerar também os casos de balas perdidas e de tentativas de homicídio, o número de investigações é ainda menor.

Nos casos de auto de resistência, quando a polícia assassina alguém em suposta legítima defesa, o índice de investigação é mais pífio ainda.

Os milhares de tiros que são disparados nas cidades mas que, por puro acaso, não atingem ninguém, então, sequer merecem uma “investigação preliminar”.

Como acabar com isso? Autoridades policiais, por favor, comecem a se incomodar com tiros que são dados a esmo na cidade. Em um primeiro momento, vocês terão um trabalho infinito de levar esses casos adiante. Parecerá impossível e será mesmo impossível.

Mas só se incomodando com essa situação, vocês vão conseguir reduzir as mortes por balas perdidas, as tentativas de homicídio e os homicídios no país. E, dentro de cinco a dez anos, vocês terão menos trabalho a fazer, porque haverá menos crimes a solucionar. E quanto menos crime para solucionar, mas fácil será solucionar os crimes esporádicos que ocorrerem.

Aos policiais que saem dando tiro pelas ruas, peço que parem de fazer isso. Pode parecer óbvio, mas quanto menos vocês fizerem isso, menos trabalho vocês vão ter, menos gente vai ficar ferida e menos gente vai morrer. Seus filhos e netos poderão andar mais tranquilos pelas ruas, tendo que se preocupar apenas com amêndoas, cocôs de pombo e banhos de lama, sem o risco de uma bala perdida achar algum órgão vital seu e encerrar suas vidas.

Ps.: Aposto que jamais serei procurado pela Polícia Civil para solicitar as imagens da câmera do meu edifício.

sexta-feira, 28 de março de 2014

Mitos e verdades sobre as UPPs

Fiquei um bom tempo fora aqui do blog e isso pode ser explicado por dois motivos:

1) Minha vida pessoal passou a tomar uma boa parte do tempo disponível que eu tinha anteriormente.
2) Uma das principais funções assumidas por esse blog (desconstruir a imagem cor-de-rosa semeada pela imprensa carioca sobre as Unidades de Polícia Pacificadora), começou a se tornar desnecessária, na medida em que casos de violência e mazelas começaram a pipocar nas UPPs e a imprensa começou a se questionar sobre a real eficácia do modelo até então considerado irretocável e sagrado (principalmente a partir de 2012).

Mas (infelizmente ou não) minha atividade profissional me colocou de volta no caminho das UPPs nas últimas semanas. Devido aos ataques sofridos pelas Unidades de Polícia Pacificadora, acabei sendo levado a cobrir esse tema e voltei a me envolver com essa questão.

E, quando você imerge em um tema da forma como aconteceu comigo nos últimos dias, você é levado a refletir sobre ele.

Diante de todas as informações que obtive ao longo desses seis anos de existência da UPP e dos fatos que constatei nos últimos dias, resolvi escrever um guia com mitos e verdades sobre essa “política”.

Então vamos lá:
1) As UPPs não acabam com o tráfico, mas acabam com o poder paralelo de quadrilhas armadas nas comunidades.

Mito. Há inúmeras ocorrências de tiroteios entre policiais e criminosos (e de assassinatos a mando do tráfico) noticiadas pela imprensa desde 2009 em comunidades ditas pacificadas, que mostram que não é só o tráfico que continua nessas comunidades. As mesmas quadrilhas que controlavam a venda de drogas nas comunidades antes das UPPs continuam comandando o negócio. É seguro dizer que em quase 100% (se não em 100%), o negócio é guardado por homens armados. Em algumas favelas, as armas são os mesmos fuzis que o governo fluminense prometeu extirpar das favelas. Nas comunidades maiores, a hierarquia do tráfico continua a mesma que era antes da pacificação, como é o caso dos Complexos do Alemão/Penha e da Rocinha: a liderança da facção continua controlando os negócios ilícitos e conta com um testa-de-ferro dentro da favela (“dono” ou “frente” do morro). Em geral, as vendas da cocaína e da maconha são responsabilidade de gerentes diferentes (“gerente do preto” e “gerente do branco”), que controlam os “vapores” (vendedores da droga). E as grandes favelas são até subdivididas em gerências regionais. Há uma divisão armada, composta pelos soldados, que, em geral, são comandados por um gerente operacional. Há também os armeiros (responsáveis pela negociação e manutenção das armas) e os contatos com atacadistas exteriores (que abastecem a favela com a droga). Com o poder da arma, a ditadura do medo continua semeada em muitas dessas comunidades.

2) Nas comunidades com UPPs não há mais ostentação de armas.

Meio verdade, meio mito. É claro que não se vê mais homens armados na entrada das favelas, nas ruas principais ou nas lajes das casas. Mas, se as bocas-de-fumo continuam sendo guardadas por fuzis, a arma continua sendo ostentada na favela, sim. Fuzil não é uma arma que você consiga guardar na sua cintura ou no seu bolso. Ainda que o fuzil seja ostentado apenas em vielas, ou no momento do ataque a policiais, há sim ostentação.

3) Nas comunidades com UPPs acabaram os tiroteios.

Mito. Apesar de pouquíssimas comunidades não terem registrado mais tiroteios (Santa Marta, por exemplo), há ainda tiroteios na maioria das favelas “pacificadas”. Mas para responder a essa pergunta, é preciso entender quais são os provocadores de tiroteios nas favelas. E, basicamente, só há duas razões para os tiros: disputa pelo controle dos pontos de venda de drogas (que pode durar apenas um dia ou pode se arrastar por meses ou anos) ou ação policial. Eu me arrisco a dizer, sem medo de errar, que a grande maioria dos tiroteios é provocada pela própria polícia nas dezenas de ações injustificadas e despropositadas que acontecem toda semana em várias favelas do estado. Uma vez que a polícia está lá dentro, a necessidade de trocar tiros para entrar na favela se acaba. No entanto, perseguições policiais, ataques de criminosos e encontros “casuais” entre policiais e bandidos na comunidade resultam em tiroteio. O outro motivo para tiroteios, que é a disputa pelo controle dos pontos de venda, também reduz sua probabilidade de acontecer, já que a própria polícia acaba “propositadamente ou não” fazendo um cinturão de segurança nas bocas-de-fumo. No entanto, mesmo assim há casos de confrontos entre quadrilhas rivais. No Babilônia/Chapéu Mangueira, há pouco tempo, teve uma tentativa de invasão. Na Rocinha, a quadrilha da parte alta brigou com a quadrilha da parte baixa e houve mortes relacionadas a esse conflito.

4) O tráfico de drogas nas favelas com UPPs ocorre em uma escala muito menor do que antes da ocupação policial.

Mito. Durante as investigações da infame Operação Paz Armada (a mesma que resultou na tortura e morte de Amarildo de Souza), em 2013, a Delegacia de Polícia da Gávea (15a DP) revelou que o tráfico de drogas na Rocinha, mesmo um ano depois da instalação da UPP na comunidade, continuava movimentando cerca de R$ 6 milhões por mês (isso dá R$ 72 milhões por ano... Peraí, deixa eu escrever de novo SETENTE E DOIS MILHÕES DE REAIS... SE-TEN-TA E DO-IS MI-LHÕ-ES). Bem, acho que a UPP não afetou tanto o lucro do tráfico na Rocinha, cuja economia continua movimentando montantes semelhantes ao período pré-ocupação.

5) Os traficantes não ficam em locais fixos das comunidades, mas se movimentam com “pequenas” quantidades de droga para evitar a apreensão policial.

Meia verdade. A própria Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP) já reconheceu que existem pontos que são controlados pelos criminosos, como a Quinta Estação (no Pavão-Pavãozinho), e Chuveirinho e Inferno Verde (no Complexo do Alemão)

6) A resposta padrão das autoridades fluminenses para explicar os problemas que acontecem nas comunidades que supostamente estariam pacificadas é: “Não conseguiremos consertar 40 anos de descaso e violência nas comunidades fluminenses de uma hora para outra. Serão necessários mais... (aí a resposta varia) 10 anos, 20 anos, 30 anos para que as UPPs consigam reverter esse quadro”. É verdade ou mito?

Bem. Isso é, em parte, verdade. Vamos aos fatos. O problema da violência epidêmica nas comunidades, na verdade, não tem 40 anos. Apesar do tráfico de drogas ter crescido nas décadas de 60 e 70 no Rio de Janeiro, as facções criminosas só começaram a se armar e disputar controle territorial em meados da década de 80. Bem então, não são exatamente 40 anos (ou um século como o coordenador das UPPs, Frederico Caldas, chegou a dizer), são cerca de 30 anos. E, desses 30 anos, o governo atual, que assumiu em 1o de janeiro de 2007, responde por sete anos, ou seja, 23% do período em que há controle armado territorial nas favelas fluminenses. E as UPPs existem há seis anos, ou seja, representando 20% desse período de 30 anos. Então, reconheçamos que um governo que está há sete anos e dois meses no poder, já deveria ter conseguido resolver boa parte do problema, criado nos 23 anos anteriores. Estou certo ou estou sendo muito exagerado? O governo, ao usar essa desculpa, está sendo, no mínimo, malandro, uma vez que está jogando a suposta solução para um horizonte politicamente distante (10, 20, 30 anos no futuro). Nesse período, governos opositores assumirão e será muito fácil jogar a responsabilidade de um fracasso nas mãos deles.

7) Mas você não acha que 3 ou 4 anos são pouco tempo para reverter o problema com as UPPs?

Sinceramente, sim. Mas eu sempre disse que não dá para acreditar em soluções mágicas (i.e. UPPs). Poderíamos ter conseguido resultados muito melhores do que as pífias conquistas que obtivemos nesse período, se tivéssemos investido em outras políticas de segurança, em vez de voltarmos 95% das baterias e recursos para uma política baseada na ocupação territorial militar. Uma vez que acreditamos que encher a favela de policiais resolveria nossos problemas da noite para o dia, passamos a acreditar que a violência não era mais um calcanhar-de-aquiles e a não exigir que o cerne do problema da segurança pública fosse resolvido.

8) O governador Sérgio Cabral e o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, dizem que ninguém é ingênuo de acreditar que as UPPs resolveriam os tais “40 anos de abandono”.

Bem, então eles eram ingênuos (ou tratavam o povo como burro) ao anunciar, em cada nova inauguração de UPP, que o Estado estava “retomando o território”, “acabando com o poder paralelo”, “livrando as pessoas do tráfico” etc etc... Vejamos algumas afirmações de Cabral no passado:
“As reconquistas dos territórios tanto da Vila Cruzeiro quanto do Alemão já foram efetivadas” (Cabral falando sobre a ocupação do Complexo do Alemão, G1, 29 de novembro de 2010)
“Agradeço imensamente o apoio que eu tive da população do Rio durante toda a campanha e quero reforçar que minha prioridade continuará sendo segurança pública. Vou repetir que até 2014 o Rio não terá mais comunidade dominada pelo poder paralelo do tráfico” (Cabral ao comentar a vitória nas eleições de 2010, O Globo, 3 de outubro de 2010)
“Todas as comunidades onde houver o poder paralelo serão completamente retomadas pelo poder público porque é isso que população quer” (Cabral ao comentar vitória nas eleições de 2010, Portal IG, 3 de outubro de 2010)
"Eu não estava feliz porque não tinha paz. Agora, estamos resgatando a paz." (Cabral sobre a ocupação da Rocinha, Portal Terra, 13 de novembro de 2011)

Bom, mas nada melhor do que esse vídeo, da campanha de 2010, para confrontar a posição pseudo-realística de hoje do governador, com a utopia que ele vendeu aos cidadãos fluminenses:

Aos 3 minutos e 55 segundos do vídeo, Cabral solta a pérola: “Vamos terminar o segundo mandato, se eu for reeleito, sem nenhuma comunidade com poder paralelo no Rio de Janeiro. Isso é um compromisso meu, com meus filhos, com minha família, com os moradores desse estado, comigo mesmo, com Deus”

E aos 5 minutos e 42 segundos, Cabral resume seu medíocre plano para a segurança pública: “A gente tem metas... E as UPPs... As UPPs pacificam comunidades, pacificam regiões”.

Bem, pessoal, pensem por si mesmos. Cabral se comprometeu com seus filhos, com a família e até com Deus, que não haveria nenhuma comunidade com “poder paralelo” até este ano. Mas agora que “deu ruim” (para usar a gíria popular), Cabral disse que ninguém era ingênuo de achar que a UPP ia acabar com a violência nas comunidades.

Eu, graças a Deus, nunca fui ingênuo, mas não posso dizer o mesmo do governo, da imprensa e da esmagadoria maioria da sociedade.
Eu sou contra as UPPs? Não.
Acho que a UPP melhorou alguma coisa? Muito pouco, prova disso é que os índices de homicídio no estado cresceram 17% em 2013 (na comparação com 2012) e voltaram aos patamares de 2010 (4.700 assassinatos por ano). Em janeiro de 2014, já houve 18% mais homicídios do que em janeiro do ano passado.
Eu preferiria que não existissem as UPPs? Na verdade, eu gostaria que existisse uma política que desse resultados melhores e mais consistentes do que as UPPs.


A continuar...